"Pasaporte lusófono" para os galegos

O Movimento Internacional Lusófono (MIL), do que forman parte membros da AGAL, aposta por un "pasaporte lusófono" para os países de fala portuguesa.

Por Juan Manuel López | Vigo | 01/09/2010

  • menéame
  • Chuzar
  • Do Melhor
  • Cabozo
  • del.icio.us

O MIL é un movemento cultural e cívico que conta con 4.000 socios de todos os países da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP). O seu obxectivo é reforzar "os laços entre os países lusófonos - a todos os níveis: cultural, social, económico e político - procurando cumprir o sonho de Agostinho da Silva: a criação de uma verdadeira comunidade lusófona, numa base de liberdade e fraternidade".

Por iso, teñen a intención de presentarse á Asambleia da República Portuguesa e impulsar unha "força Lusófona de Manutençao de Paz" para intervir en Timor-Leste e na Guiné-Bissau, por exemplo.

"Parlamento Lusófono"

Tamén reclaman un “Passaporte Lusófono” para a "livre circulação de pessoas no espaço lusófono" e a posta en marcha en todos os países do CPLP dun
“Banco de Desenvolvimento Lusófono”, dun “Canal Lusófono de Televisão” e mesmo dun “Parlamento Lusófono”.

O MIL ten organizado xa xornadas sobre o futuro da CPLP, da situación na Guinea-Bissau, sobre o centenario da República Portuguesa e mesmo sobre a "condição lusófona da Galiza, em que foram oradores Alexandre Banhos Campo e José Manuel Barbosa, Membros do Conselho Consultivo do MIL e da AGAL (Associação Galega da Língua)".

A TÚA ACHEGA FAI QUE GC POIDA PUBLICAR NOVAS COMA ESTA. SÓ DEPENDEMOS DE TI.

¿Gustouche esta nova?
Colabora para que sexan moitas mais enviando un SMS coa palabra GC ao 25511



Comenta

Se tes problemas ou suxestións escribe a webmaster@galiciaconfidencial.com indicando: sistema operativo, navegador (e versións). Agradecemos a túa colaboración.

¿Que caracteres alfanuméricos hai na imaxe? descarta espazos e signos

Exemplo: para C*8 Km@ introducir c8km.

captcha

¡Non entendo o texto!: cambiar imaxe






¿Que caracteres alfanuméricos hai na imaxe? descarta espazos e signos

Exemplo: para C*8 Km@ introducir c8km.

captcha

¡Non entendo o texto!: cambiar imaxe


Comentarios

8 comentarios
5

tino

Eu quero um!


4

outro

Nâo gosto do termo lusofono, e mais ajeitado galegófono.O nome português é legitimo, pois vem do nome do condade galaico que se separou da Galiza,.A nossa lingua também é berciana, ou corunhesa por elo também é portuguesa, mas nâo lusitana, que é o andaluz da nossa lingua.Bom,mas a verdade por enquanto nâo aceitemos o carater internacional da nossa lingua pouco podemos pedir.Eu quero pasaporte galego.

1 resposta
1

Por Don García, rei da Galiza: Eu gosto de mamar os peitos da cabritinha.


3

Sayonara baby

Caralludo!!!!! Así podemos ir de vacacións a Luanda sen levar pasaporte, non?


2

André

Seria maravilhoso dispormos os galegos dum passaporte Lusófono para nos movermos livremente em qualquer país de língua portuguesa como o fazemos dentro da UE. Avante com a iniciativa. Viva o galego-português!!


1

Agálico Surpreso

Isto... do ponto de vista informativo é relevante que Banhos e Barbosa sejam membros da AGAL? (por sinal, a dia de hoje, "Associaçom Galega da Língua" e nom "AssociaçÃO Galega da Língua")? Vamos, essas duas pessoas som sócias da AGAL como podo ser eu ou qualquer redactor de GC... também Alexandre Banhos é membro da CIG, do BNG ou da Fundaçom Meendinho, por exemplo...

2 respostas
1

Por Agáliso Surpreso: Nom se entenda o meu comentário como crítica a estas duas pessoas. Só chamo a atençom a que se trata de um dado que, informativamente, é irrelevante... e, aliás, mistura de algumha maneira neste tema umha associaçom que, como tal, nada tem a ver nessas actividades (para bem ou para mal, eu isso nom o avalio). Essa inclusom pode dar a entender às pessoas pouco informadas que a AGAL também fai essa reclamaçom, o qual, ao que sei, nom é assim.

2

Por Luis: O Alexandre Baños é persona que coñezo de hai anos, é de Cedeira , vive entre Ferrol, as Pontes e Lugo, dedica-se ao negocio da madeira e é militante do PSOE -o psoe tenlle dado muito traballo, non pode ser o de Lisboa ese ten que ser outro.