Artigos de Xosé Antón Jardón

Crónica do día 6 do corrente

“As forzas vivas do barrio, maioristas de alpiste, axiotistas do aceite e un propetario de autoescola, celebraban o patrón con festa de pote e discursos” (Miss Ourense, Bieito Iglesias).

En Marea e a agulla de marear

“Somos qualquer coisa que se passa no intervalo de um espetáculo; por vezes, por certas portas, entrevemos o que talvez não seja senão cenário. Todo o mundo é confuso, como vozes na noite.” (Livro do desassossego, Fernando Pessoa).

Tres eran tres

“Wall Street, Wall Street/ lameiro luminoso/ nádega poderosa/ do mundo.” (Do poema Crónica Bursátil, Antipoemas, Celso Emilio Ferreiro).

Os Bolsonaros que inzan ao noso carón

“Pouco antes de morrer,/ díxolle ó pobo:/ Deus che dea ira,/ que paciencia tes de abondo.” (Do poema O profeta, Cimenterio privado, Celso Emilio Ferreiro).

Teimando a favor do urxente e necesario

“Hai que poñer o sangue tercamente,/ como outro golpe dado contra a nada.” (Do poema Xunta o río, Profecía do mar, Bernardino Graña).

Bos e xenerosos ou imbéciles e escuros?

“Viver é fazer meia com uma intenção dos outros.” (Livro do desassossego, Fernando Pessoa).

A teimosía dos teimudos

«Daime o oubeo do can, a voz da estrela, / o silencio das toupas esfuracando a noite, / o vento salaiando nas caracochas» (Do poema “Daime”, Calados esconxuros, Antón Tovar)

Pedro, ou... Pero (Sánchez)?

“Os Estados uma vez que costruem, selecionan e identificam un inimigo que é funcional adotam un caráter esencialmente conservador e, portanto, são resistentes a avançarem con a sua substitução total por um ator novidoso” (Vidas culpáveis, Borxa Colmenero).