Artigos de Xosé Antón Jardón

As doenzas dos concellos galegos. O sarampelo político

“Viver é fazer meia com uma intenção dos outros. Mas, ao fazê-la, o pensamento é livre, e todos os príncipes encantados podem passear nos seus parques entre mergulho e mergulho da agulha de marfim com bico reverso.” (O livro do desassossego, Fernando Pessoa).

As doenzas dos concellos galegos: o desleixo incesante

“Tudo que se passa no onde vivemos é em nós que se passa. Tudo que cessa no que vemos é em nós que cessa. Tudo que foi, se o vimos quando era, é de nós que foi tirado quando se partiu.” (O livro do desassossego, Fernando Pessoa).

As doenzas dos concellos galegos. O magma edílico galego

“Por enriba de tódalas fronteiras, / por enriba de muros e valados, / se os nosos soños son igoais, / coma un irmau che falo” (Longa noite de pedra, Celso Emilio Ferreiro).

As doenzas dos concellos galegos. Os servizos básicos

“–¿Que ves nese fondo escuro? / ¿Que ves que tembras e calas? –¡Non vexo! Miro, cal mira / Un cego a luz do sol crara. / E vou caer alí en donde / Nunca o que cai se levanta” (Follas Novas, Rosalía de Castro).

As doenzas dos concellos galegos. A autonomía Local

“E o Marcelino non dí nada, está coma aparvado. Hai un silencio. E no silencio coma un arrastre, coma unha fouce que pasa segando” (Fins do mundo, Bernardino Graña).

As doenzas dos concellos galegos. Preludio

“O que sucedeu despois é un longo relatorio de desolación e espantos onde o mundo estoura en mil anacos, tal e coma un castelo de area que se derruba” (A cidade dos Césares, Víctor Freixanes).

A herdanza das alforxas enzoufadas

“Súpeto, vin que o can encollía o rabo entre as pernas, agachaba as orellas, por un intre fitaba para un ponto indefinido e saía a mea carreira coa barriga achegada ao chao.” (Arraianos, Xosé Luís Méndez Ferrín).

Galicia e a orde natural das cousas

“Sempre pensei que as coisas pudessem correr mal mas não tão depressa, mas não daquela forma.” (A ordem natural das coisas, António Lobo Antunes).