Artigos de Maurício Castro

'Conducta': Cinema revolucionário cubano... ou nom?

No último fim de semana fum surpreendido pola presença nada habitual de um filme cubano nos velhos cinemas do ferrolano bairro de Esteiro. Nom podia perdê-lo!.

Decência moral, eficácia técnica... e pátria espanhola

Esses som três dos eixos ideológicos que nestes dias Pablo Iglesias passeia em massivos atos públicos na Galiza.

A história de NÓS-UP em meia dúzia de contributos para a construçom nacional

Há poucos dias que NÓS-Unidade Popular anunciou a sua dissoluçom, 14 anos depois da Assembleia Fundacional, em junho de 2001.

Filgueira Valverde e Jesús Vasques, ícones da liquidaçom planificada do galego

A recente eleiçom de Filgueira Valverde nom podia ser mais reveladora da ideologia lingüística do atual poder político e das suas instituiçons na Galiza.

Rosalia Mera e o papel da burguesia galega

A morte, em datas recentes, de umha representante da alta burguesia galega serviu para trazer à atualidade galega vários assuntos relacionados com a sociedade de classes em que vivemos e o caráter, também inequivocamente de classe, dos diferentes poderes que a sustentam.

O acidente de Angrois e o racismo contra o galego

Fique descansado quem julgar que vou somar-me aos já numerosos contributos jornalísticos e de opiniom sobre questons técnicas e responsabilidades políticas que cada vez mais claramente enxergamos como existentes em torno do terrível acidente ferroviário de Compostela.

Dar força ao independentismo

Vamos começar por fazer um pouco de memória. Entre os anos 2005 e 2006 viveu-se no Estado espanhol umha tentativa dupla, basca e catalá, de alargar a autonomia pola via do que naqueles anos se denominava “soberania compartida” ou “co-soberania”. Fôrom o 'Plano Ibarretxe' e o Estatut catalám, cuja neutralizaçom ou desnaturalizaçom por parte da ineludível maioria parlamentar espanhola (PSOE, PP e IU) mostrou a impossibilidade de atingir acordos de mínimos que reformem a Espanha de sempre, a alicerçada no hegemonismo e no submetimento nacional.

Senlheiro e Baltar: dous pesos e duas medidas

Nom tenho relaçom pessoal com o jovem mais recentemente detido sob a mediática e policial acusaçom de “terrorismo”. Tampouco vou entrar a debater sobre o debatível direito do Estado ao monopólio da violência, ainda que nom poda deixar de denunciar os tam evidentes como abundantes excessos violentos das forças policiais ao seu serviço.