Artigos de Maurício Castro

O PP e a imersom lingüística

Existe toda umha corrente informativa que nos últimos tempos espalha a suposta oposiçom do Partido Popular às políticas de imersom como ferramenta de normalizaçom lingüística no Estado espanhol.

Violência policial: o pam nosso de cada dia

Aproveitando o abafante ambiente católico que, por imperativo legal, se respira nestes dias, defino com essa sentença religiosa a atitude quotidiana da que é, sem dúvida, umha das polícias mais violentas da Europa: a espanhola. Umha força repressiva que voltou a exercer como tal em Madrid, durante os importantes protestos que contestárom o financiamento público da visita papal em plena crise e no meio de cortes sociais generalizados.

Twitter já está disponível em galego do Brasil

Galiza passou despercebido, mas o facto tem a sua importáncia: a rede social Twitter, umha das mais utilizadas no mundo junto ao Facebook, já tem versom em português brasileiro.

Por que estará Reixa ressentido com Carvalho?

Chegou-me por correio eletrónico um artigo da autoria de Antón Reixa, publicado no Xornal, no qual este representante da intelectualidade autonómica se dá ao luxo de, sob a capa de defender a figura de Lois Pereiro, atacar a de Ricardo Carvalho Calero.

A RAG nom tem por que ser reintegracionista

Fique claro desde o primeiro momento o meu respeito pola opçom isolacionista da atual Real Academia Galega, ainda que a opçom seja contrária à do seu primeiro presidente, o reintegracionista Manuel Murguia.

Língua e metafísica na Galiza

Nalgumha ocasiom das muitas em que tenho trocado impressons com pessoas que partilham as mesmas preocupaçons em matéria de língua, temos chegado a umha conclusom comum: chega de debates e de disquisiçons teóricas, falta é passar à açom, pois o tempo que resta ao galego é cada vez menor e a passividade joga a favor do espanhol.

Anti-Ratzinger

Nom por conhecida deixa de surpreender. A anunciada visita do líder do integrismo católico mundial à nossa capital é defendida e possibilitada polas forças mais reaccionárias da sociedade pós-franquista em que ainda vivemos. As que realmente mandam.

Greve, folga ou tanto tem?

Nom é a partir de discussons e argumentos filológicos que se legitima ou impom um critério na padronizaçom de qualquer língua em posiçom subsidiária, como a que a nossa ocupa em relaçom ao espanhol. Existem numerosíssimos casos no mundo semelhantes ao galego que assim o certificam.