Artigos de Xosé Antón Jardón

En Marea e a agulla de marear

“Somos qualquer coisa que se passa no intervalo de um espetáculo; por vezes, por certas portas, entrevemos o que talvez não seja senão cenário. Todo o mundo é confuso, como vozes na noite.” (Livro do desassossego, Fernando Pessoa).

Tres eran tres

“Wall Street, Wall Street/ lameiro luminoso/ nádega poderosa/ do mundo.” (Do poema Crónica Bursátil, Antipoemas, Celso Emilio Ferreiro).

Os Bolsonaros que inzan ao noso carón

“Pouco antes de morrer,/ díxolle ó pobo:/ Deus che dea ira,/ que paciencia tes de abondo.” (Do poema O profeta, Cimenterio privado, Celso Emilio Ferreiro).

Teimando a favor do urxente e necesario

“Hai que poñer o sangue tercamente,/ como outro golpe dado contra a nada.” (Do poema Xunta o río, Profecía do mar, Bernardino Graña).

Bos e xenerosos ou imbéciles e escuros?

“Viver é fazer meia com uma intenção dos outros.” (Livro do desassossego, Fernando Pessoa).

A teimosía dos teimudos

«Daime o oubeo do can, a voz da estrela, / o silencio das toupas esfuracando a noite, / o vento salaiando nas caracochas» (Do poema “Daime”, Calados esconxuros, Antón Tovar)

Pedro, ou... Pero (Sánchez)?

“Os Estados uma vez que costruem, selecionan e identificam un inimigo que é funcional adotam un caráter esencialmente conservador e, portanto, são resistentes a avançarem con a sua substitução total por um ator novidoso” (Vidas culpáveis, Borxa Colmenero).

Rajoy, sempre tan despistado

“O seu rostro inmóbil fai del un obxeco inanimado, unha cousa, algo inerte.” (A ferida do vento, Antón Riveiro Coello).