Artigos de Ramón Varela

Declarações do rei emérito João Carlos I

João Carlos é o primeiro rei de Espanha emérito, e suponho que seria elegido por analogia com os catedráticos eméritos, se bem existe uma diferença clara entre ambos casos, pois um professor emérito cobra uns 700 euros aproximadamente ao mês, além da pensão, mentes que ele cobra 187.356 euros, e, á parte, o sofrido cidadão tem que suportar os gastos que origina as suas viagens e a sua proteção pessoal para assistir a presenciar carreiras de carros, vacações ininterruptas em hotéis de luxo...

Retrospetiva e prospetiva sobre a política nacionalista galega

Quero antes de nada sublinhar a importância da crítica, e também da autocrítica, para a melhora das organizações e da sociedade em geral, o qual não deve restar apego para seguir defendendo aquelas que mais se acomodam ao que consideramos mais idôneo de cara a um futuro melhor.

Da UPG e outras histórias

Cada quem fala da feira segundo lhe foi nela, e, por tanto o que eu poda dizer também está condicionado pelas minhas vivências e pelas minhas reflexões, que não têm por que ser compartilhadas por outros. Quero contribuir, desde a minha atalaia particular, ao processo de esclarecimento que pretende levar a cabo o BNG, neste momento difícil para ele.

Quo vadis, PSOE?

Repetimos, modificada, a pergunta que o apóstolo Pedro, quando escapava de Nero pela Via Apia, lhe fez a Jesus ao visioná-lo portando uma cruz: «Quo vadis, Domine». No caso presente, «A onde vais, PSOE?». Claro que poderia suceder que um ma-lintencionado, coma mim, se lhe ocorresse pensar que a pergunta que haveria que fazer seria: «Vais a algures, PSOE?». Há alguns indícios que são ilustrativos duma deriva ziguezagueante desta organização, tanto no terreno ideológico como na praxe política.

Reforma da Constituição

Com a Constituição de 1978 passou o que tinha que passar; o que é inevitável que passasse quando se põe em prática uma política que não é assumida com convicção e responsabilidade.

Organizemos o pos-totalitarismo ideológico

Segundo a RAE, “o totalitarismo é um regime político que exerce forte intervenção em todas as ordens da vida nacional, concentrando a totalidade dos poderes estatais nas mãos dum grupo ou partido que não permite a atuação doutros partidos”.

Ubi bene ibi patria

A expressão «Onde um está bem, ai está a pátria» remonta ao poeta trágico romano Pacúvio (220-130 a.e.c.) na sua obra trágica Teucer, fr. 291, citado por Cicerão (106-43 a.e.c.) nas Tusculanas, 5.37.108: «Patria est ubicumque est bene», A pátria está onde um está bem. É esta uma expressão que todo o mundo pode aceitar na sua generalidade, porque todo depende do significado que se lhe dê á palavra bem, que, como dizia Aristóteles, reviste muitos sentidos ao igual que a palavra ser.

Uma AGE rebatizada e um BNG refundado

Já dizia o velho Empédocles que os motores que regem o mundo são o amor e o ódio, dos quais o primeiro é a força unitiva e o segundo a força afastadora. Ambos movem montanhas, em palavras evangélicas, mas o primeiro constrói enquanto que o segundo destrói. Na Assembléia do BNG de Ámio de 2012 explodiram ressentimentos e dissensões longo tempo incubados que não acharam na organização uma via de solução; foi-se diretamente á confrontação e todos saíram perdendo, embora os restos da explosão tiveram distintas derivas. Mutatis mutandis é o mesmo que está a passar com Catalunya, que, ao não achar uma via de canalização das suas aspirações no Estado espanhol, rebenta e faz tensionar um sistema imobilista espanhol, fechado a todo câmbio no que respeita o sistema de distribuição territorial do poder.